Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Porquê, não sei...

por Rosinda, em 31.05.12
Fotografia de Jorge Soares
NASCER ...
 
- Não, mais não… não aguento mais…
Mas, por mais que gritasse … a dor não desaparecia, nem se atenuava com as súplicas – uma dor interior, que lhe rasgava o corpo como nunca julgara possível acontecer.
A parte inferior do corpo… já nem a sentia. Primeiro um torpor, uma letargia enganadora que o convencera que aquela etapa seria breve, quase como que um adormecer.
Mas enganara-se.
Morrer, tal como nascer, não era fácil. Nem indolor.
Tentou mover a parte inferior do corpo. Os músculos não lhe obedeceram. Sob a pele, um frenesim de espasmos percorria-lhe o corpo, em ondas dolorosas que lhe toldavam a visão – deixava de ver.
À sua volta, uma névoa de fios brancos envolvia-o num casulo informe, reduzindo todo o seu mundo a um pequeno espaço sem luz, sem sons, sem cor. O final – pensou – é escuro e sombrio.
Uma dor mais aguda fê-lo contorcer-se, agitando-se convulsivamente.
- Já chega… que isto termine já… por favor…
Ninguém o ouviu.
Ninguém lhe atendeu o mudo pedido de um fim rápido.
Pouco depois, perdeu o controle da voz. Sons guturais escapavam da garganta, formando sílabas sem nexo ou sentido. Ao longo do tronco, a superfície da pele abriu fendas, e a vida começou a verter e a fugir-lhe do corpo, numa transformação voraz.
O ar, cada vez mais pesado, anunciava o fim.
Lutou com todas as suas forças, num esforço desesperado para se manter consciente. Mas era inútil.
A escuridão avançou, galopante… e ele deixou de ver. O casulo da morte cercou-o num manto espesso, enquanto o corpo se desintegrava, a um ritmo cada vez mais rápido.
Já não sentia dor, já não sentia nada.
O fim do mundo chegara.
E ele não podia fazer nada para o evitar.
Deixou-se levar…
 
Abriu os olhos.
Um céu azul brilhante recebeu-o de braços abertos, o sol ofuscou-lhe o olhar e de repente… descobriu que estava vivo.
- Estou vivo… estou vivo…
Estremeceu… e um par de asas douradas imitou-lhe os movimentos. O que se estava a passar ?
Voltou a olhar para o seu corpo… e não se reconheceu. Onde estava aquele ondulado macio, esponjoso, a sua barriga proeminente ? Onde estava a penugem finíssima que lhe cobria toda a parte superior do corpo ? Desaparecera. Tudo desaparecera.
No seu lugar, um par de asas deslumbrantes nascera-lhe no tronco, agora esguio e colorido, levíssimo.
Fechou os olhos, cego de luz.
Um aroma de polens perfumados envolveu-o, em êxtase absoluto.
- Então… morrer é isto… - balbuciou… - nunca conseguiria imaginar tal…
Estremeceu novamente e as asas douradas agitaram-se, elevando a pequena borboleta nos ares, trôpega e insegura.
A larva… toda a sua existência anterior, tal como a conhecia… não passava agora de uma mera recordação, cada vez mais enevoada e distante…
A vida continuava…
Uma leve brisa empurrou-a com suavidade e a pequena borboleta ganhou altura e partiu… rumo a um novo céu… e a um novo destino.
 

 Do blog entremares, escrito por Rolando Palma

(nasceu em 31-5-1962 partiu em 3-8-2011)

 

Farias hoje 50 anos... Estejas onde estiveres meu amigo, recebe o meu abraço19miniestrelasmgif

 

" Na mesma pedra se encontram,
Conforme o povo traduz,
Quando se nasce - uma estrela,
Quando se morre - uma cruz.
Mas quantos que aqui repousam
Hão de emendar-nos assim:
"Ponham-me a cruz no princípio...
E a luz da estrela no fim!"

 

NOTA: Durante a semana passada várias vezes me lembrei do Rolando, achei normal, até porque gostava imenso de ler o que escrevia. Mas na segunda feira passada à procura de uma frase sobre "nascer"para o postal que fiz para a Marta, fui parar ao blog entremares, exactamente a este texto. Reparei então na data do aniversário dele no post anterior a este.

Porque acredito que nada acontece por acaso, resolvi deixar aqui o texto deste amigo virtual que partiu precocemente e de forma brutal.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:07


8 comentários

De DyDa/Flordeliz a 31.05.2012 às 11:42

Cruzo-me com ele no facebook e sinto saudades. A sua foto transmite tranquilidade e parece sorrir quando o olha-mos e parece saudar-nos:
- Olá! Bem aparecida!

Vi um lembrete com o aniversário do Rolando e mesmo sem escrever, mesmo tendo feito uma pausa, deixou-nos a sua mensagem escrita que perdura e vamos lendo com carinho sorrindo com emoção e lembrando aquele comentário tantas vezes inesperado que deixava nos nossos blogues.

Bonita homenagem Rosinda a uma pessoa que nos deixou palavras não menos bonitas e parece ter conquistado um lugar especial no coração de quem com ele partilhava o gosto pela escrita e dois dedos de conversa.

Hoje é dia de conversas em volta da fogueira com uma chávena de café .

Paremos e sentemos para conversar.

De Rosinda a 01.06.2012 às 19:24

Amiga Flor, de vez em quando vou ao cantinho dele e leio um dos textos, são todos muito sentidos...
Ficou a saudade e a mágoa pela injustiça...
Sei que vim conversar contigo com um dia de atraso, mas não pude vir antes...
Beijinho grande minha amiga
Bom fim de semana
Rosinda

De golimix a 31.05.2012 às 21:24

Não o conhecia, estou neste mundo blogosférico há pouco tempo, mas estremeci quando cheguei ao fim e vi que ele tinha partido...

Bonita homenagem.

De Rosinda a 01.06.2012 às 19:27

Escrevia muito bem amiga, na minha opinião claro!
Foi uma pena ter partido ainda tão novo e com a vida ceifada às mãos de outro homem, as tais coisas que por muito que tentemos, não entendemos...
Beijinho
Bom fim de semana
Rosinda

De miilay a 01.06.2012 às 00:09

Linda homenagem de grandes Amigas.
Um abraço
miilay

De libel a 01.06.2012 às 15:03

E como soube bem, ler novamente este bonito texto, sobre nascer. É de facto uma sensação única, e o Rolando narra, descreve, sente e desenvolve com tanta emoção que nos deixa arrepiados. Somos imediatamente transportados para aquele casulo, de onde nasce uma linda borboleta pronta para seguir rumo a uma nova etapa de vida. Um novo ciclo, onde encontrará tantos poisos, uns mais perfumados, outros mais ásperos, outros macios, outros ainda com alguns picos, outros onde a sombra a protege, outros onde o sol
aquece, e ainda outros por descobrir...

Nossa, como o Rolando nos inspira, era capaz de borboletar por aqui até mais não..

Mas por agora, deixo um beijinho enorme para ti minha amiga...e um casulo de sorrisos para o nosso amigo!!
Borboletas de saudades...

De Rosinda a 01.06.2012 às 19:29

Olá amiga,
poema sobre nascer e sobre morrer...
Quero acreditar que tudo tem continuação, senão de que vale nascer...
Beijinho grande
Bom fim de semana
Rosinda

De Existe um Olhar a 01.06.2012 às 21:39

Há um sem fim de textos deixado por ele e que releio de vez em quando.
Uma pessoa que marcou quem o conhecia pessoal e virtualmente.
Sei que o sonho dele era publicar um livro, não chegou a fazê-lo, mas a sua obra jamais será esquecida nas linhas que relemos.
Todos temos um ou outro texto que nos comove, que se adapta ao momento e este é espectacular.
Um amigo que deixou saudades, mas cujas palavras permanecerão sempre no nosso quotidiano.
Bela homenagem amiga.

Beijos
Manu

Comentar post



"O próprio viver é morrer, porque não temos um dia a mais na nossa vida que não tenhamos, nisso, um dia a menos nela." (Fernando Pessoa)


Pesquisar

Pesquisar no Blog  




Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D


Algumas das imagens deste blog são retiradas da Internet. Se alguma pessoa se sentir lesada por favor diga e será retirada