Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Merecem um "gosto" muito grande!

por Rosinda, em 31.03.12

O Inspira-me sugeriu... eu, resolvi juntar as três sugestões só numa fotografia.

 

 A paisagem, a manhã, a pessoa...

 

 

  Gosto muito...

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:27

Então, voltarei...

por Rosinda, em 23.03.12
Quando o vazio preenche os meus sentidos, quando o cansaço de tudo e de coisa nenhuma se abate sobre mim, é como se um semáforo ficasse vermelho e me fizesse parar, esperar...  
 A menos que o dito semáforo avarie, irá ficar verde. Então, voltarei...
 
DESEJO A TODOS UM BOM FIM DE SEMANA
Fotografia tirada por mim auto estrada A7
 
Canção da Paciência

Muitos sóis e luas irão nascer
Mais ondas na praia rebentar
Já não tem sentido ter ou não ter
Vivo com o meu ódio a mendigar

Tenho muitos anos para sofrer
Mais do que uma vida para andar
Bebo o fel amargo até morrer
Já não tenho pena sei esperar

A cobiça é fraca melhor dizer
A vida não presta para sonhar
Minha luz dos olhos que eu vi nascer
Num dia tão breve a clarear

As águas do rio são de correr
Cada vez mais perto sem parar
Sou como o morcego vejo sem ver
Sou como o sossego sei esperar

Muitos sóis e luas irão nascer
Mais ondas na praia rebentar
Já não tem sentido ter ou não ter
Vivo com o meu ódio a mendigar

Tenho muitos anos para sofrer
Mais do que uma vida para andar
Bebo o fel amargo até morrer
Já não tenho pena sei esperar


Letra e Música: José Afonso
Álbum: Como Se Fora Seu Filho (1983)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:05

Vergonha

por Rosinda, em 22.03.12

 

Sinto-me envergonhada, Portugal não merece isto...

Nós não temos um Governo Democrático, temos algo ainda pior que uma ditadura.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:10

Desafiada...desafio!

por Rosinda, em 22.03.12

Desafio proposto pela amiga Lua do Céu

http://umafamiliadetrespessoas.blogs.sapo.pt/269918.html

 

Parece que tenho de referir 11 factos referentes à minha pessoa. Vou tentar...

 

1- Amo a vida, a Natureza...

2- Amo os meus filhos...

3- Amo as pessoas...

4- Gosto de animais, especialmente de cães.

5- Sou demasiado frontal e franqueza já não é qualidade... é defeito!

6- Pareço forte e ninguém me vê chorar, mas depois choro imenso quando estou só.

7- Detesto a mentira.

8-Tento aprender e evoluir a nível espiritual e intelectual, embora por vezes, sinta que ando para trás em algumas situações.

9- Sou tremendamente calma, mas se me "pisam os calos" sou tremendamente descontrolada.

10- Tenho a "mania" de querer mudar o mundo, detesto injustiça .

11- Estou numa fase de cansaço dos meus blogs.

 

 Respondendo às 11 perguntas feitas pela Lua...

 

1- Sim, sou feliz como sou, "para pior, está bem, está bem... para melhor, já basta assim..."

2- Para me recordar de onde sou, se fosse para um lugar deserto, teria que levar fotografias da minha terra?!

3- Pois, além das fotografias, um objecto? Só se levasse a estátua de Afonso Henriques!

4- Se me fossem concedidos três desejos eu pediria : Amor, saúde e dinheiro.Com o Amor viria a Paz, com a saúde viria o trabalho e o dinheiro era por si só uma consequência...

5- Como lugar de sonho escolheria o meu Portugal.

6- Não faço a mínima ideia, mas talvez a figura que gostaria de ser durante um dia fosse Obama, talvez pudesse fazer qualquer coisa pelo mundo.

7- Os meus piores pesadelos seriam perder um filho.

8- Claro que conseguia não vir à net uma semana! Estou até a pensar fazê-lo!!!

9- Se me fosse dada a oportunidade de fazer alguma coisa, faria uma que acho muito necessária. Faria aqui em Guimarães uma Clínica de recuperação pós cirúrgico para idosos.

10- Não poderia fazer nada mais que o que faço agora, dentro das possibilidades.

11- Se algum dos meus fosse vitima de bowling, faria a única coisa possível, recorreria à Justiça, embora infelizmente cada vez nos inspire menos confiança.

 

E agora que me parecem cumpridos os requisitos do desafio, vou passá-lo a alguma pessoas. Desde já dizendo que não levo nada a mal se não responderem ao "dito" vou entender perfeitamente.

 

Então quem eu escolho e desafio, por me parecer que ainda ninguém o fez são:

  

 Miguxa  http://0meucorreio.blogs.sapo.pt/

      ?       http://bloguedaminisaia.blogs.sapo.pt/

 Miilay    http://miilay.blogs.sapo.pt/

     ?        http://a-lupa-de-alguem.blogs.sapo.pt/

Nanda    http://blogando-me1.blogs.sapo.pt/

 Kok        http://koktell.blogs.sapo.pt/

Pedro     http://onda_azul.blogs.sapo.pt/

Adélia    http://rodrigando.blogs.sapo.pt/

Tina       http://preparandoalgo.blogs.sapo.pt/

Ivete      http://ventosdobrasil.blogs.sapo.pt/

L Maria   http://golimix.blogs.sapo.pt/

 

 

Feitas as escolhas, terão então que escrever 11 factos sobre a vossa pessoa e responder às 11 perguntas. Eu achei por bem, limita-las à própria convivência através dos blogs e são as seguintes:

 

1- Acreditam na amizade virtual?

2- Gostam deste género de desafios?

3- Ajudariam alguém que não conhecessem ?

4- Dizem exactamente o que pensam quando escrevem no vosso blog?

5- Com o que vão lendo nos blogs (inclusive comentários) aprendem a conhecer melhor as pessoas?

6- Invariavelmente usam de alguma hipocrisia para estar de bem com todos?

7- Aceitam que usem o vosso email para criticar os vossos amigos virtuais pelas costas?

8- Não vos incomoda a constante referência ao IP de cada seguidor, o que por vezes sugere um espécie de controle?

9- Gostam de visitar blogs com os comentários moderados que dão uma trabalheira?

10-  Se deram o vosso nome verdadeiro a conhecer, já se arrependeram?

11- Seriam capazes de corrigir algum erro ortográfico de outros blogs,com delicadeza e discrição?

 

Espero não ter sido muito dura nas perguntas... {#emotions_dlg.blink}

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:07

Vale mais cair em graça...

por Rosinda, em 20.03.12

"Mais vale cair em graça, que ser engraçado" é um ditado antigo e ainda certo, pelo menos ao que me parece, como no caso da Luciana Abreu e Yannick Djaló.

Não entendo tanto ênfase e tantas criticas em relação ao nome que escolheram para as suas filhas. Chega-se ao cumulo de dizer que é para chamar a atenção, para ser diferente, homenagear o clube de futebol e dezenas de coisas que se as escrevesse aqui fariam do post uma seca!

Afinal eles são mesmo importantes! Têm toda a importância que lhes dão!

Eu até gosto do nome da menina, Lyani, soa bem... é um nome de origem francesa e um derivado de Eliane.

Quando estes factos, quanto a mim tão sem importância, fazem notícia, é porque realmente não temos mais nada com que nos preocuparmos.

As crianças quando crescerem vão como todos nós habituar-se com o nome que têm, a não ser claro que continuemos a criticar, quando não temos esse direito. Enfim, tristemente estas coisas são notícia e vendem-se mais revistas...

 

Parabéns Luciana por mais uma menina, que tenha saúde e cresça tranquila. E acredita, tu és mesmo importante, por isso voa borboleta, voa!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:17

Dia de amor...

por Rosinda, em 19.03.12
(Fotografia do meu pai, tirada cá em casa no Natal passado)
 

Hoje, como todos os dias, dei um beijo ao meu pai, logo pela manhã. Mais "repenicado" disse-lhe na brincadeira, hoje é o seu dia! Não me surpreendi com a resposta dele:

É mais um, minha filha, igual aos outros!

Tomamos o cafezinho e eu fui para a fisioterapia. Não fazia conta de lhe dar nenhum presente, afinal, eu gosto de dar presentes sem eles contarem, sempre que vejo alguma coisa que lhes faz falta e que posso comprar.

À tarde, fui comprar pão e para o fazer passo numa rua que tem uma florista. De repente veio-me à ideia que nunca tinha dado uma flor ao meu pai.

Olhei para umas rosas amarelas e apeteceu-me comprar uma para ele. A florista queria fazer um arranjo, mas eu não quis , apenas lhe pedi para colocar um laço. Como conheço bem a minha mãe, sabia que ia ficar com ciúme e também lhe comprei uma. Fui então fazer-lhes uma visita inesperada...

Foi o meu pai que abriu a porta. É ainda, apesar dos seus quase oitenta e quatro anos, um homem alto e forte e o abraço que me deu foi tão apertado que até me fez doer as costelas! Ficou feliz!

Fui então ter com a minha mãe, que, como sempre, estava aconchegada no sofá e dei-lhe a outra rosa. O meu pai olhou para mim e disse:

Não leves a mal, mas eu vou dar esta também à tua mãe. Toma Goinha... (diminutivo de Glória)

Então dá-me um beijinho, disse ela!

Fiquei a olhar para eles enlaçados a darem um "chocho" e a pensar que, mais que assinalar o dia do pai, aquelas duas rosas amarelas, assinalavam um dia de amor.

Gostava de ter tirado fotografia, mas foi um acto espontâneo ter comprado as rosas.

 

Que sorte eu tenho por ainda ter os meus pais...

 

Rosinda

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:46

Fui a Ribeira de Pena, buscar mais uma pena...

por Rosinda, em 16.03.12
Pois é verdade, como o título deste post diz, fui a Ribeira de Pena, terra do meu pai e vim de lá cheia de pena, pena porque cada vez mais me confronto com uma realidade de um País que é o meu, mas onde a justiça, os valores e a honra se vão perdendo, dando lugar a situações estranhas, diria até bizarras e inacreditáveis para mim, até ontem.
Vou começar por dizer, que por ser necessário a pedido do IHRU, para actualização da renda, foi pedida às Finanças uma certidão de bens. Estávamos tranquilos, sabíamos que havia o terreno da minha avó e a respectiva casa (em estado não habitável) e sem partilhas feitas, por se desconhecer o paradeiro de dois irmãos do meu pai. Junto a esse havia um outro terreno adquirido pelo meu pai quando viemos de Angola, onde ele tinha videiras e árvores de fruto, embora já não se tratasse dos campos à alguns anos.  Até aqui tudo bem, só que na respectiva certidão constava que ele era dono de uma casa de rés de chão e primeiro andar, com 850 m2 de quintal numa outra freguesia, mais propriamente em Cerva.
Como nem o meu pai sabia de nada, resolvemos eu e a minha irmã ir com o documento às Finanças de Ribeira de Pena. E aqui começa uma surpreendente história.
A repartição de finanças era muito pequena e apenas duas pessoas estavam a trabalhar. Dirigi-me a um deles e expliquei o que se passava, não deixando de lado a hipótese de ser um bem herdado, uma vez que existia família que se foi perdendo ao longo dos anos.
O funcionário olhou para a Certidão e depois de dar uma vista de olhos, disse mais ou menos isto:
Sabe, é muito normal isto acontecer, provavelmente foi um erro ao fazer cópia das cadernetas antigas e foi atribuído o nº de contribuinte do seu pai a este senhor. Mas não há problema eu passo já outra Certidão!
Ainda lhe perguntei se o nome do "dito" dono da casa era igual ao do meu pai, mas nem me soube dizer...
Assim saio dali com uma Certidão que diz que sim, e outra que diz que não... confesso que fiquei com a pulga atrás da orelha! Será assim tão fácil resolver estes problemas?
 
Assim eu e minha irmã decidimos que antes de voltarmos, iríamos ainda a Cerva para saber quem era o senhor, para o alertar e deixar explícito que tínhamos receio de que numa outra altura, em vez de bens aparecessem dividas... mas primeiro queríamos ir onde morou a nossa avó.
O terrenos estavam cuidados, não existiam já as árvore de fruto, nem as videiras e no lugar da velha casa de pedra estava um casarão moderno, nitidamente construído à pouco tempo. Ficamos espantadas!
Custou-me ver as pedras da casa espalhadas em cada recanto. Lembrei que numa altura em que se quis fazer alguma coisa, nos disseram que não podíamos deitar a casa abaixo. Tinha um lagar antigo, onde ainda me lembro de pisar as uvas, numa das férias...
 
Fomos saber o que aconteceu e ninguém nos soube dizer. O terreno continua sendo do meu pai, as partilhas da outra parte que era da minha avó, nunca foram feitas. Na Câmara recusam dar informações sobre como se constrói uma casa em terreno alheio, dizem que só com advogado.
Chegadas às falas com a "dona" da casa ela diz que, comprou o terreno a alguém, mas recusa mostrar documentos. Soubemos entretanto que já trabalhou na Câmara e continua a ter alguns "conhecimentos".
Cansadas e tristes, olhávamos para o nosso pai, que incrédulo só dizia:
Fazei o que quiseres, eu  estou velho, não quero isto para nada! Sofri tanto aqui...
 
Ainda fomos a Cerva...
 
Para nosso espanto, ninguém conhece o dono da outra "dita" casa. Ela existe, está a ser feito um levantamento, para poder ser expropriada. Na Junta de Freguesia não consta nenhum nome igual ao do meu pai. Aconselharam-nos a falar com o Padre, pois ele deveria saber, não estava...
 
Viemos embora com uma sensação de revolta, a pensar nas coisas que se fazem neste país, onde até já nas regiões do interior, onde a honra e a palavra se sobrepunham a tudo, já não tem valor.
Não sei o que vão fazer os meus irmãos, eu, tenho pena, nada posso fazer a não ser ficar com a minha pena, porque até para descobrir as vigarices dos outros é preciso dinheiro.
 
Bom Fim de semana!
 
Rosinda
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:40

De que sevem as palavras...

por Rosinda, em 14.03.12

 

Hoje tenho o coração apertado. O cheiro da morte afecta-me os sentidos. A revolta do que acho injusto, a mágoa causada pela impotência de nada poder.

Um acidente com um autocarro ontem à noite na Suíça provocou a morte a 28 pessoas, das quais 22 foram crianças. Crianças, com uma vida inteira pela frente. Tantos sonhos...

Horas depois, hoje às dezoito horas, morre uma amiga...

Lutou ferozmente contra uma doença do marido, vivia preocupada com a saúde dele, conseguiu que ele abandonasse alguns hábitos e curasse a cirrose.

Dois filhos formados, com alguns sacrifícios, reforma conseguida e eis que, ironicamente, morre num curto espaço de tempo com cancro galopante no fígado...

Faltam-me as palavras, que afinal de pouco servem nestas situações de dor. Apena direi que, cada momento da nossa vida é precioso e pode ser o ultimo.

E embora seja duro pensar na morte, ela é a única coisa que todos temos como certa...

 

Um abraço bem forte para todos

Rosinda

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:44

Uma chama...

por Rosinda, em 13.03.12

 

"Uma vela nada perde quando, com sua chama,

acende uma outra que está apagada

 Orison Swett Marden

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:01

Afastemos os medos, para poder viver plenamente.

por Rosinda, em 09.03.12

 

Diz-se que, mesmo antes de um rio cair no oceano,

Ele treme de medo.

Olha para trás, para toda a jornada,

Os cumes, as montanhas,

O longo caminho sinuoso através das florestas,

Através dos povoados,

E vê à sua frente um oceano tão vasto,

Que entrar nele nada mais é do que

Desaparecer para sempre.

Mas não há outra maneira.

O rio não pode voltar.

Ninguém pode voltar.

Voltar é impossível na existência.

Só podemos apenas ir em frente.

O rio precisa de arriscar e entrar no oceano.

E somente quando ele entra no oceano

É que o medo desaparece.

Porque apenas então o rio saberá

Que não se trata de desaparecer no oceano,

Mas .. tornar-se oceano.

Se por um lado é desaparecimento,

Por outro lado é renascimento.

...................

 

Não são palavras minhas, são palavras de muita gente...

 

Bom fim de semana!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:02

Pág. 1/2



"O próprio viver é morrer, porque não temos um dia a mais na nossa vida que não tenhamos, nisso, um dia a menos nela." (Fernando Pessoa)


tradutor

Site Meter

Pesquisar

Pesquisar no Blog  




Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Obrigada pela visita


análise web site


Algumas das imagens deste blog são retiradas da Internet. Se alguma pessoa se sentir lesada por favor diga e será retirada