Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Sinais do tempo...

por Rosinda, em 30.08.11

tubes astres / ciels

Mais uma vez a minha cidade vê uma mulher ainda jovem acabar com a vida. Desta vez tocou-me mais de perto, pois era prima da minha cunhada. Os pais vivem cá no bairro e eu conheço-a desde criança.

Moça de quarenta anos, sempre alegre, sempre bem disposta, bonita e independente, ninguém diria que teria tal fim. 
Divorciada já há muito, vivia sozinha. Tinha um filho com dezoito anos que ultimamente foi viver com o pai, por razões económicas.
E foram essas razões económicas que a levaram ao suicídio. Estava desempregada já fazia algum tempo e apesar de ser ajudada pelos pais, não aguentou a pressão. Tristes sinais dos tempos que vivemos, onde nada é certo e o emprego bom que se tem hoje, pode não se ter amanhã... 
Hoje da minha janela vejo o dia cinzento...
 
Noticia em Guimarães Digital
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:06

Palavras sábias

por Rosinda, em 21.07.11

O velho Mestre pediu a um jovem triste que colocasse uma mão cheia de sal  num copo de água e bebesse.
- Qual é o gosto? – perguntou o Mestre.
- Mau... disse o aprendiz.
O Mestre sorriu e pediu ao jovem que pegasse noutra mão cheia de sal e levasse a um lago. Os dois caminharam em silêncio e o jovem deitou o sal no lago. Então o velho disse:
- Bebe um pouco dessa água. Enquanto a água escorria pelo queixo do jovem o Mestre perguntou:
- Qual é o gosto?
- Bom! disse o rapaz.
- Tu sentes o gosto do sal? Perguntou o Mestre.
- Não, disse o jovem.
O Mestre então, sentou-se ao lado do jovem, pegou nas suas mãos e disse:
- A dor na vida de uma pessoa não muda. Mas o sabor da dor depende de onde a colocamos. Quando sentires dor, a única coisa que deves fazer é aumentar o sentido de tudo o que está à tua volta. É dar mais valor ao que tens do que ao que  perdes-te. Por outras palavras:

 

É deixares de Ser copo para te tornares um Lago.

 

(Desconheço o autor. Penso que é um pensamento Budista)

 

 

E como amanhã já é sexta feira, aproveito para desejar a todos ;

Bom fim de semana!

Rosinda

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:16

Caminhos e vidas...

por Rosinda, em 17.06.11

Nunca fui uma mulher que desse demasiada importância ao dinheiro. Há muito aprendi a não valorizar luxos e coisas supérfluas, qualquer "trapo"  serve, desde que goste e as "marcas" nada me dizem. Vou à cabeleireira só uma vez por ano para cortar um pouco ao cabelo, que gosto de manter em tamanho médio. Sou portanto uma pessoa de poucos gastos.

Contudo, preciso do essencial e está difícil, pois que não trabalho à cinco anos. As economias vão desaparecendo e sinto que sobrecarrego um pouco a minha filha mais nova solteira e a viver comigo. O dinheiro que lhe tenho dado, é praticamente para as despesas de casa, (renda, água, luz, zon, gás) os gastos com a alimentação são totalmente dela.

Tenho-me conformado com esta situação, o tempo vai passando, cuido da minha mãe e da minha casa e a rotina instalou-se totalmente na minha vida.

Por volta 8h e 45m tenho de estar na casa da minha mãe, não há razão para haver hora certa, mas o hábito é tal, que se me atrasar ela telefona! "Então, não vens? Já são horas! " Horas para quê? Preparar a medicação que coloco em taparuéres para o dia seguinte, fazer-lhe as camas e ir tomar o café com ela. Sou eu que vou com ela o médico, fazer exame etc... etc...

Tudo bem e até normal. Os meus afazeres não são muitos, sou a filha mais velha e os meus irmãos habituaram-se a que eu resolva tudo e esteja sempre presente.

Acontece que surgiu a oportunidade de eu ir trabalhar em Paris durante o mês de Agosto e primeira semana de Setembro. Caiu a casa abaixo...!

Mas alguém se preocupa se eu tenho ou não necessidade de alguma coisa? Não! Tive que pôr os pontos nos is e acabaram por concordar que eu tinha razão. É um bom bocado de dinheiro extra e vou para casa do meu filho mais velho, estarei portanto bem instalada.

Não disse ainda nada à minha mãe, vai ser complicado, mas ela tem a minha cunhada e irmão quase tão perto como eu e tenho que lhes relegar a responsabilidade durante algum tempo.

Os meus pais estão fisicamente em forma e à excepção do problema de esquecimentos da minha mãe, e da descompensação da cabecita dela de vez em quando, ela vai fazendo o almoço, tem uma mulher a dias que faz a limpeza, portanto é só fazer as camas e preparar os medicamentos.

A minha cunhada é jovem, não trabalha, tem empregada, pode muito bem fazer esse "sacrifício" .

Conclusão:

Está tudo aborrecido, a minha filha, porque lhe estraguei os planos de férias, os meus irmãos que parece só agora terem reparado que os pais estão "velhos".

Ninguém reparou que adiei a cirurgia que faria agora em Junho e só farei em Setembro, ninguém reparou que indo para França provavelmente não verei o meu filho mais novo a não ser no Natal, ninguém tão pouco perguntou se eu me sentia capaz de ir trabalhar num tipo de trabalho que nunca fiz.  Enfim, que importância tenho eu...?

Realmente, eu não preciso de muito, não gosto de luxos, mas já não compro um par de sapatos à mais de três anos e que saudades eu tenho do meu perfume...

Assim me sinto, com muita gente e tão pouca companhia...

 

Desejo a todos;  BOM FIM DE SEMANA!

Rosinda

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:03

Tristes esperanças...

por Rosinda, em 31.05.11

As ultimas notícias sobre os casos de jovens que se agridem de forma selvagem, deixam-me sem palavras e bastante preocupada com o futuro do homens e mulheres de amanhã. Embrutecidos e sem amor e respeito ao seu semelhante.

Mas quando sei de casos como o desta jovem , que se suicidou aos dezanove anos de idade (ver aqui) penso muitas vezes se os pais estarão atentos aos filhos e aos seus problemas.

Diz-se que esteve muito tempo sentada na ponte a chorar e a falar ao telemóvel. Passou decerto muita gente por ali, mas... hoje em dia é tudo normal... até mesmo estar a chorar, com uma caixa de lenços de papel no chão e sentada numa ponte...

 

 Rosinda

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:25


"O próprio viver é morrer, porque não temos um dia a mais na nossa vida que não tenhamos, nisso, um dia a menos nela." (Fernando Pessoa)


Pesquisar

Pesquisar no Blog  



Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D


Algumas das imagens deste blog são retiradas da Internet. Se alguma pessoa se sentir lesada por favor diga e será retirada