Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Bom fim de semana...

por Rosinda, em 10.09.11

Era final de Inverno...

Mais um ano havia passado e não se chegava a nenhuma conclusão. Os partidários de algumas facções,dia após dia, perdiam-se em intermináveis discussões sobre esta ou aquela candidata, sem chegarem a um consenso.

Decantava-se a beleza da papoila, as qualidades da alfazema, o perfume dos cravos, as virtudes de pureza e humildade de lírios e violetas, tudo em vão.

Num canto despretensioso do mundo, onde as espécies vegetais cresciam silenciosamente, um pequeno arbusto tratava da sua luta diária pela sobrevivência, alheio a toda a sorte de discussões.

Conformado com a sua forma tosca retorcida, prenhe de espinhos pontiagudos e consciente de que nunca alcançaria a beleza de um dente-de-leão, acostumara-se a ser desprezado e humilhado, sem no entanto deixar de prestar atenção às pequenas criaturas que dependiam da sua existência para poderem sobreviver. A elas dedicava toda a sua vida emprestando a segurança do seu tronco e ramos para abrigar insectos das chuvas e das ventanias.

Era feliz, pois se não tinha a beleza, tinha a utilidade e isso lhe bastava.

Naquela manhã fria de final de invernia, ainda não totalmente desperta do sono, a plantinha rude viu despregar do céu uma linda estrela cor de prata.

Sorrindo acompanhou-lhe a trajectória em arco-íris perfeito pelo céu escuro. Descendo, descendo, em direcção à floresta ainda adormecida.

Era tão suave e linda aquela forma, que, instintivamente , todos na floresta, árvores, arbustos, pássaros e flores, acordados pela luz repentina, curvavam-se para vê-la passar.

A estrela flutuou entre sorrisos, agradecendo a simpatia da  floresta, até chegar perto do arbusto cheio de espinhos. Aproximou-se lentamente da plantinha e falou-lhe docemente:

Não te inscreves-te no concurso da rainha das flores, por isso vim pessoalmente buscar-te...

Mas , senhora, gaguejou a planta, eu...?

Como posso aspirar a ser rainha de qualquer coisa não vês como sou feia?

O Senhor da Vida ordenou-me que viesse buscá-la...

Se esse é o seu desejo aqui me tens senhora...

E partiram deixando atrás um rastro de luz, na direcção do conselho das flores.

As demais candidatas riram-se da pretensão daquele feio arbusto.

A plateia silenciou quando entrou no ambiente a Primavera, anunciada pelo som de mil clarins. O arbusto espantado, reconheceu a estrela que o trouxera até ali.

Então senhores conselheiros, questionou a Primavera, o Senhor da Vida deseja saber se já encontraram a legítima representante do seu Reino.

Não senhora, estávamos a decidir quando fomos interrompidos pela vaidade dessa planta que aí está, sem qualidades. Veja, que ousadia!

A Primavera voltou-se para a plantinha que chorava envergonhada e humilhada e perguntou-lhe:

O que mais desejas nesta vida?

E a planta respondeu entre lágrimas:

Amar, amar e ser amada...

A primavera então, tocou nos galhos espinhosos, e, logo botões surgiram dos galhos seminus, abrindo-se em mil pétalas sedosas, de perfume inesquecível.

Qual é o teu nome? Perguntaram todos.

Eu sou a rosa...

Quando o Amor tocar os espinheiros do mundo, as rosas rebentarão em cada alma...

 

Desconheço o autor

 

Bom fim de semana para todos.

Rosinda

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:30

A vida é um presente...

por Rosinda, em 03.11.10

Sinto-me empurrada pelo vento forte de uma vida com demasiados Invernos. Tento constantemente olhar a vida de frente e sorrir, mas, a cada passo dado em frente, sinto o empurrão deste vento agreste que teima em me arrasar. Até quando conseguirei manter a força e o discernimento. Se todos vivemos a um passo da loucura, onde vou buscar forças para tanto ...? Eu sei. Olho para o lado e no mal maior dos outros... encontro a coragem. É que há casos de vida bem piores, tormentos maiores, e pobreza bem maior também.

Ontem estive no hospital desde as 17 e 30 até hoje à 1 hora da manhã. Dessas sete horas cinco foram passadas à porta do bloco operatório. Não pude deixar de ouvir um médico dizer a uma senhora que iam ter de amputar a perna ao marido. Também ouvi uma mãe falar da filha de tenra idade com um tumor na cabeça. Dramas enormes comparados com uma cirurgia ao joelho aos 75 anos, pensei... e o meu mal ficou menor.

Deixaram-me ver a minha mãe no recobro, não estava bem, os enfermeiros foram amorosos comigo e disseram que era normal. Vim para casa a pé, devagar, fumando um cigarro e pensando no quão insignificantes e frágeis podemos ser.

Eram nove da manhã quando voltei ao hospital, para ir à minha consulta de ginecologia oncológica, estava apreensiva, mas tranquila. Já são poucas as coisas que me metem medo neste mundo. Esperei três horas pela minha vez. Mais uma vez vi muito sofrimento em redor e quando a médica me disse que tinha que ser operada, nem sequer fiquei surpresa, apena lhe perguntei; A quê? Já não tenho os órgãos reprodutores!

Pois, mas tenho outros... e por lá  apareceu algo com um nome esquisito e grau superior a tês e tem que ser tirado... e pronto! Consulta de anestesia exames marcados, lá tenho que  ganhar coragem e fazer a sétima cirurgia.

Comi um panado no bar do hospital que me soube pela vida...! Fui então ver a minha mãe. Fiquei triste, estava ligada a uma máquina porque as tensões baixaram muito e está a levar transfusões de sangue porque apareceu uma anemia. Não são boas noticias, mas mesmo com lágrimas nos olhos eu continuo com o meu sorriso triste, acreditando que tudo vai melhorar e vendo que há sempre um mal maior que o nosso.

Aqui vou escrevendo o que sinto e agradeço verdadeiramente a quem me lê e se vai preocupando. Agradeço e peço desculpa pelos desabafos , mas creiam, eu não quero passar negativismo, antes pelo contrário! A vida é feita de tudo, e com tudo podemos aprender.

Vamos viver um dia de cada vez, com a certeza de que a vida é o presente e... um Presente.

 

Rosinda

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:39

ACREDITO...

por Rosinda, em 20.09.09

 

                       

                                           

Tenho ainda vontade de acreditar...

Que o mundo pode ser um paraíso...

Deixar de ver pessoas a chorar...

Quando é tão bom ver um sorriso...

 Porque haverá sofrimentos...

Causado sem se pensar...

 Se nascemos todos a chorar...

 E morremos todos com lamentos...

 Eu sei... mas sei de verdade...

Se parar-mos para pensar...

Que quanto mais amor damos,

Mais amor temos para dar...

 Que haja luz nos corações,

Harmonia entre as pessoas...

Fora a inveja, egoísmo e pressões...

Soltai essas almas boas! 

 Ainda acredito, ou quero acreditar...

 Pobre de mim...estou sonhando...

Antes quero estar dormindo...?

 Ficar com este pensar...

 E depois? veremos... quando acordar...

                                                    

        ( os meus versitos) M.R.F.H.

              ATÉ BREVE...  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:29


"O próprio viver é morrer, porque não temos um dia a mais na nossa vida que não tenhamos, nisso, um dia a menos nela." (Fernando Pessoa)


Pesquisar

Pesquisar no Blog  



Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D


Algumas das imagens deste blog são retiradas da Internet. Se alguma pessoa se sentir lesada por favor diga e será retirada