Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dia de amor...

por Rosinda, em 19.03.12
(Fotografia do meu pai, tirada cá em casa no Natal passado)
 

Hoje, como todos os dias, dei um beijo ao meu pai, logo pela manhã. Mais "repenicado" disse-lhe na brincadeira, hoje é o seu dia! Não me surpreendi com a resposta dele:

É mais um, minha filha, igual aos outros!

Tomamos o cafezinho e eu fui para a fisioterapia. Não fazia conta de lhe dar nenhum presente, afinal, eu gosto de dar presentes sem eles contarem, sempre que vejo alguma coisa que lhes faz falta e que posso comprar.

À tarde, fui comprar pão e para o fazer passo numa rua que tem uma florista. De repente veio-me à ideia que nunca tinha dado uma flor ao meu pai.

Olhei para umas rosas amarelas e apeteceu-me comprar uma para ele. A florista queria fazer um arranjo, mas eu não quis , apenas lhe pedi para colocar um laço. Como conheço bem a minha mãe, sabia que ia ficar com ciúme e também lhe comprei uma. Fui então fazer-lhes uma visita inesperada...

Foi o meu pai que abriu a porta. É ainda, apesar dos seus quase oitenta e quatro anos, um homem alto e forte e o abraço que me deu foi tão apertado que até me fez doer as costelas! Ficou feliz!

Fui então ter com a minha mãe, que, como sempre, estava aconchegada no sofá e dei-lhe a outra rosa. O meu pai olhou para mim e disse:

Não leves a mal, mas eu vou dar esta também à tua mãe. Toma Goinha... (diminutivo de Glória)

Então dá-me um beijinho, disse ela!

Fiquei a olhar para eles enlaçados a darem um "chocho" e a pensar que, mais que assinalar o dia do pai, aquelas duas rosas amarelas, assinalavam um dia de amor.

Gostava de ter tirado fotografia, mas foi um acto espontâneo ter comprado as rosas.

 

Que sorte eu tenho por ainda ter os meus pais...

 

Rosinda

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:46

Bom fim de semana...

por Rosinda, em 10.09.11

Era final de Inverno...

Mais um ano havia passado e não se chegava a nenhuma conclusão. Os partidários de algumas facções,dia após dia, perdiam-se em intermináveis discussões sobre esta ou aquela candidata, sem chegarem a um consenso.

Decantava-se a beleza da papoila, as qualidades da alfazema, o perfume dos cravos, as virtudes de pureza e humildade de lírios e violetas, tudo em vão.

Num canto despretensioso do mundo, onde as espécies vegetais cresciam silenciosamente, um pequeno arbusto tratava da sua luta diária pela sobrevivência, alheio a toda a sorte de discussões.

Conformado com a sua forma tosca retorcida, prenhe de espinhos pontiagudos e consciente de que nunca alcançaria a beleza de um dente-de-leão, acostumara-se a ser desprezado e humilhado, sem no entanto deixar de prestar atenção às pequenas criaturas que dependiam da sua existência para poderem sobreviver. A elas dedicava toda a sua vida emprestando a segurança do seu tronco e ramos para abrigar insectos das chuvas e das ventanias.

Era feliz, pois se não tinha a beleza, tinha a utilidade e isso lhe bastava.

Naquela manhã fria de final de invernia, ainda não totalmente desperta do sono, a plantinha rude viu despregar do céu uma linda estrela cor de prata.

Sorrindo acompanhou-lhe a trajectória em arco-íris perfeito pelo céu escuro. Descendo, descendo, em direcção à floresta ainda adormecida.

Era tão suave e linda aquela forma, que, instintivamente , todos na floresta, árvores, arbustos, pássaros e flores, acordados pela luz repentina, curvavam-se para vê-la passar.

A estrela flutuou entre sorrisos, agradecendo a simpatia da  floresta, até chegar perto do arbusto cheio de espinhos. Aproximou-se lentamente da plantinha e falou-lhe docemente:

Não te inscreves-te no concurso da rainha das flores, por isso vim pessoalmente buscar-te...

Mas , senhora, gaguejou a planta, eu...?

Como posso aspirar a ser rainha de qualquer coisa não vês como sou feia?

O Senhor da Vida ordenou-me que viesse buscá-la...

Se esse é o seu desejo aqui me tens senhora...

E partiram deixando atrás um rastro de luz, na direcção do conselho das flores.

As demais candidatas riram-se da pretensão daquele feio arbusto.

A plateia silenciou quando entrou no ambiente a Primavera, anunciada pelo som de mil clarins. O arbusto espantado, reconheceu a estrela que o trouxera até ali.

Então senhores conselheiros, questionou a Primavera, o Senhor da Vida deseja saber se já encontraram a legítima representante do seu Reino.

Não senhora, estávamos a decidir quando fomos interrompidos pela vaidade dessa planta que aí está, sem qualidades. Veja, que ousadia!

A Primavera voltou-se para a plantinha que chorava envergonhada e humilhada e perguntou-lhe:

O que mais desejas nesta vida?

E a planta respondeu entre lágrimas:

Amar, amar e ser amada...

A primavera então, tocou nos galhos espinhosos, e, logo botões surgiram dos galhos seminus, abrindo-se em mil pétalas sedosas, de perfume inesquecível.

Qual é o teu nome? Perguntaram todos.

Eu sou a rosa...

Quando o Amor tocar os espinheiros do mundo, as rosas rebentarão em cada alma...

 

Desconheço o autor

 

Bom fim de semana para todos.

Rosinda

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:30

A Páscoa é Amor, é Fraternidade, é União..

por Rosinda, em 20.04.11

Na segunda feira os meus netos vieram cá a casa, acompanhados da minha filha. Vinham de mãos atrás das costas e com um sorriso maroto... calculei logo... andaram a "roubar" rosas pelo caminho para trazer para mim!

Não adianta!.... É um "pecado que todos cometemos de geração em geração; Eu fazia-o para dar à minha mãe, os meus filhos para me dar a mim  e agora os netos... mas o que mais me comove é o meu pai, que ainda o faz para dar à minha mãe... todos os dias vai ao Continente, dar a voltinha dele, ao voltar para casa passa num sítio onde há rosas de Sta. Teresinha e ele "rouba" algumas. Quando chega a esta altura a casa da minha mãe cheira a rosas, sempre!...

Não acho assim o pecado grave, lembro a cantiga do Zeca "Compra pão e vinho, mas rouba uma flor, tudo o que é belo não é de vender..."

Bem, acabei por me desviar do assunto do post; dizia eu que os meus netos me trouxeram este lindo ramo de rosas. Coloquei-as em água e tirei fotos. Ao olhar para a maior, pensei tirar uma fotografia só com ela, por ser amarela ( significa amizade) e oferece-la aqui aos meus amigos. Resolvi então fazer uma experiência (uma vez que nada percebo de fotografia) aumentei o zoom, apaguei as luzes fortes da sala e deixei só o candeeiro e tirei a fotografia...

 

 

Não sei como, mas saiu assim... acho-a linda! Ficou com umas cores quentes e fortes, como se quer a AMIZADE !

Ofereço então esta rosa a todos  os amigos com muito carinho.

 

 VOTOS DE FELIZ PÁSCOA

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:09

Momentos bons da vida

por Rosinda, em 06.10.10

Muitas vezes me queixo da vida e outras tantas a bendigo. Este fim de semana deu-me alento e alegria, foi repleto de pequenas grandes coisas, que me deixaram feliz.

Domingo, sete horas da manhã, já acordada mas para não incomodar deixei-me estar na cama. Oiço a porta do quarto abrir devagarinho, pensei que era a minha cadelinha , que se habituou a ir cedo ao meu quarto, porque sabe que lhe dou uma bolachinha ao pequeno almoço. Olhei para o chão e vejo uns pés grandes (45) vou erguendo os olhos e vejo um homem de 1,93, lindo... com um tabuleiro com o pequeno almoço, estava lá tudo, as minhas bolachas, o meu queijo... só que em quantidades triplicadas... O meu filhote levou-me o pequeno almoço à cama! E não só a mim , mas à irmã e namorada também! E ainda nos presenteou com uma rosa linda a cada uma! Imaginam como se sentiu esta mãe babada... pois é... feliz!

Foram estas as rosas que nos deu , lindas...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:54

VERSITO Á MINHA FILHA "ANA"

por Rosinda, em 24.09.09

 

 

 

BRILHO E COR NA MINHA VIDA...

 

Serena, calma e muito atinadinha...

Eras assim em pequenina.

E continuas a ser sempre certa e com razão.

Abafas os sentimentos

Ninguém sabe os lamentos

Que tem o teu coração...

Sorris muito raramente

Se pudesses ver-te assim...

És um sol resplandecente,

Quando sorris para mim!

Tudo te é indiferente

É o que deixas parecer!

Mas se te conhece a gente.

Tu também sabes sofrer...

És hoje uma mulher feita.

Serena como ninguém

Tudo se arranja, tudo se ajeita,

Para ti está tudo bem!

A ti eu te vejo assim

Jóia rara e tão formosa

Linda flor do meu jardim...

Minha amada e bela Rosa!

 

 

(os meus versitos)M.R.F.H.

 

 ATÉ BREVE...                     

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:35


"O próprio viver é morrer, porque não temos um dia a mais na nossa vida que não tenhamos, nisso, um dia a menos nela." (Fernando Pessoa)


Pesquisar

Pesquisar no Blog  



Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D


Algumas das imagens deste blog são retiradas da Internet. Se alguma pessoa se sentir lesada por favor diga e será retirada